terça-feira, 18 de dezembro de 2012

MARECHAL DEODORO DA FONSECA


Presidente do Brasil - de 15/11/1889 a 25/02/1891
e de 25/02/1891 a 23/11/1891
  Marechal Deodoro nasceu na cidade de Alagoas, atual Marechal Deodoro, em Alagoas, no dia 5 de agosto de 1827 e estudou em escola militar desde os 16 anos. Em 1848, aos 21 anos, integrou as tropas que se dirigiram a Pernambuco para combater a Revolução Praieira e participou ativamente de outros conflitos durante o Império, como a brigada expedicionária ao rio da Prata, o cerco a Montevidéu e da Guerra do Paraguai.

  Ingressou oficialmente na política em 1885, quando exerceu o cargo de presidente (equivalente ao atual de governador) da província do Rio Grande do Sul. Assumiu a presidência do Clube Militar de 1887 a 1889 e chefiou o setor antiescravista do Exército. Com o título de marechal, Deodoro da Fonseca proclamou a república brasileira no dia 15 de novembro de 1889 e assumiu a chefia do governo provisório.

  A primeira constituição republicana estabelecia que as eleições no Brasil seriam diretas e que o presidente e seu vice seriam eleitos pelo voto popular. Entretanto, determinava também que, em caráter excepcional, o primeiro presidente e o primeiro vice seriam eleitos indiretamente, isto é, pelo Congresso Nacional. Foi o que aconteceu. No dia seguinte à promulgação da Constituição, o Congresso elegeu de forma indireta os marechais Deodoro da Fonseca para presidente e Floriano Peixoto para vice-presidente, em 25 de fevereiro de 1891.

  O governo do Marechal deveria terminar em 1894, mas o período registrou sérios problemas políticos e econômicos. A política econômica, que tinha como ministro da Fazenda Rui Barbosa, foi marcada pelo "encilhamento", que se caracterizou pelo incentivo à emissão de moeda por alguns bancos e pela criação de sociedades anônimas. Como resultado, houve forte especulação financeira e falência de bancos e empresas.

  A formação de um novo ministério liderado pelo barão de Lucena, político vinculado à ordem monárquica, a tentativa de centralização do poder e às resistências encontradas no meio militar conduziram o país a uma crise política, que teve seu ápice na dissolução do Congresso Nacional. Ao mesmo tempo crescia no meio militar a influência de Floriano Peixoto, que também fazia oposição a Deodoro juntamente com as forças legalistas que levaram à renúncia de Deodoro da Fonseca em 23 de novembro de 189
1

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

ONDE TUDO COMEÇOU...


     Marechal Deodoro foi a primeira capital de Alagoas e cidade natal do Proclamador da República. Seu povoamento se iniciou em 1522, mas somente em 1611 surge a Vila da Madalena.
        Em 1633, o povoado foi atacado por holandeses que torturaram parte da população e incendiaram cerca de 100 casas. Em 1636, foi elevada à vila e, em 1711, à categoria de comarca.
        Em 1817, foi desmembrada da capitania de Pernambuco. Com a independência, passou à
categoria de cidade pela lei de 8 de março de 1823.
        Ao assumir a presidência em 1838, Agostinho da Silva Neves decidiu mudar a Tesouraria
da Fazenda de Marechal para Maceió. A decisão custou sua renúncia. Inconformado, Neves
solicitou tropas de Pernambuco e Bahia para restabelecer a ordem pública. Em 9 de dezembro de
1839, porém, foi sancionada a resolução legislativa 11, transferindo a metrópole de Alagoas para
Maceió.
        Marechal Deodoro possui grande valor histórico, principalmente por ter sido a primeira
capital do Estado e berço do proclamador da República, que deu nome à localidade. Tombada
pelo Patrimônio Histórico, tem valor arquitetônico riquíssimo, onde destaca-se o complexo
franciscano de Santa Maria Madalena. O município é banhado pelas lagoas Mundaú e Manguaba.